Ibram e Adasa alertam para presença de bactérias em parte do Lago Paranoá

Após a constatação da presença de cianobactérias em trecho do Lago Paranoá, entre a L4 e as quadras 4,6 e 8 do Lago Sul, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) lançaram recomendação para que os cidadãos evitem o banho e a pesca no local.

Em nota, o Ibram e a Adasa informam que estão investigando a causa do aumento das cianobactérias no local e que a estação de tratamento de esgoto sul, da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), mais próxima do local, permanece dentro da normalidade.
A restrição para o desenvolvimento dessas atividades no trecho entre a Ponte das Garças e a Ponte Honestino Guimarães seguirá até que a qualidade da água seja recuperada.

Cianobactérias

As cianobactérias, algas azuis ou algas cianofíceas não podem ser consideradas algas nem bactérias comuns. Elas podem produzir gosto e odor desagradáveis na água, além de desequilibrar os ecossistemas aquáticos. Algumas delas também podem liberar toxinas, que servem de defesa contra predadores. No entanto, a proliferação pode preocupar as companhias de tratamento.
Fonte: Correio Braziliense