Baixa nos reservatórios revela risco de estiagem no DF

O Partido Verde do Distrito Federal alerta a população sobre a iminência da situação de racionamento da distribuição de água em decorrência do baixo índice registrado nos reservatórios. Segundo dados da Caesb foram realizadas, na última quinta-feira (15), suspensões no abastecimento de água em seis regiões do DF.

Chegado o período de estiagem, quando se registram baixos índices de umidade no ar e ocorrências de chuva, os reservatórios tendem a diminuir a quantidade de vasão ao passo que o consumo aumenta devido ao calor. Segundo dados da OMS, a recomendação de consumo de água por pessoa é de cerca de 100 litros/dia. No DF, a média de consumo atinge 184 litros e há regiões que o consumo médio ultrapassa os 300 litros.

A realidade atual adverte a sociedade para o uso consciente deste recurso e ressalta ainda que, além de poupá-lo, é necessário ainda o reaproveitamento da água. Pode ser reutilizada para atividades domésticas a água oriunda de chuveiros, pias, tanques e máquinas de lavar. Outra alternativa viável e eficaz é a coleta e armazenamento de água das chuvas.

As regiões de Planaltina, Sobradinho I e II, Jardim Botânico, Brazlândia e São Sebastião tiveram o fornecimento suspenso durante períodos do dia, afetando aproximadamente 132 mil moradores. A Caesb afirmou ainda que os cortes foram feitos para “preservar os níveis de reservação e evitar falta de água em maior proporção”. Ainda na tarde desta sexta-feira (16), o reservatório do Descoberto, que garante água para quase 85% da população do DF, atingiu seu limite mais crítico em 30 anos; 40%.

O Instituto Nacional de Meteorologia – Inmet informa que o índice de umidade pode se manter  em 15%. A temperatura, no final de semana, deve ficar na casa dos 30°, podendo alcançar até os 35°. Esta semana registrou a segunda maior temperatura para o mês de setembro desde  1961.

Problema Sistêmico

Recentemente, o estado de São Paulo passou pela mais crise hídrica da história do centro-sul do país. Os reservatórios chegaram aos níveis mais baixos já registrados e, para abastecimento da população, foram utilizados recursos oriundos do volume morto. Durante os períodos mais críticos, a população ficou sem o abastecimento por longos períodos, sofrendo as graves consequências da estiagem.

O Distrito Federal, localizado no berço das águas do país, precisa intensificar os cuidados com a preservação dos mananciais para que não seja vítima das consequências do desenvolvimento predatório da vegetação típica do Cerrado, das ocupações irregulares que ocasionam a impermeabilização do solo e do assoreamento de mananciais e nascentes.

A preservação das vegetações nativas dos mananciais para a conservação das águas e das nascentes é uma medida urgente. “Sabemos que o nosso planeta sofre uma grande ameaça e nos deparamos com a seguinte questão: Não existe água onde não tem vegetação e vice-versa”, afirma o presidente regional do PV, Eduardo Brandão.

“É importante salientarmos que a políticas públicas de preservação dos recursos naturais devem estar aliadas as ações diárias e cotidianas da população. Aqui nascem importantes bacias hidrográficas brasileiras como as que alimentam os Rios São Francisco e o Paraguai”, finaliza.

 

Fonte: Secretaria de Comunicação PVDF
Imagem: Reprodução